Mind the gap

Chegando em Londres, desça as escadas para qualquer uma das 270 (!) estações de metrô da cidade e quando estiver na plataforma esperando o trem chegar, quem sabe você não ouve aquela famosa frase que está carimbada em produtos de merchand do London Underground? A frase foi criada em 1968 para advertir os passageiros sobre o vazio entre o trem e a plataforma que ocorre principalmente quando dita plataforma é curva – sim, acontece!

Andar no Tube em Londres (é assim que o metrô é comumente chamado) é uma aula incrível: são tantos fatos interessantes que ajudam a contar a história do primeiro sistema de metrô do mundo que dá pra ficar literalmente horas viajando no assunto. Ainda mais se você é fanático por mapas que nem eu!

A começar pelo mapa do London Underground, um dos mapas mais icônicos do mundo. A primeira versão do mapa foi criada em 1931 pelo projetista Harry Beck. Nele as estações não seguem a localização geográfica exata, mas facilitam a leitura ao usar cores diferentes para cada linha e identificar onde é possível trocar de rota. O mapa é totalmente intuitivo e muito fácil de usar. O sistema de metrô é dividido em zonas concêntricas, de 1 a 9, sendo que as zonas 1 e 2 abrangem a região central de Londres. As passagens variam de preço de acordo com as zonas usadas. Por exemplo: é mais caro ir da zona 2 até a 6 do que ficar só na 1 e 2.

E pra comprar as passagens? O mais prático é comprar um cartão pré-pago Oyster, que pode ser carregado com dinheiro ou com Travelcards que valem por um dia, uma semana ou um mês. O cartão é “inteligente” e além de sempre de dar descontos, ele calcula o valor mais barato pra sua viagem. Por exemplo, se você comprar um ticket unitário pra dentro da zona 1 paga £4.30*, enquanto com o Oyster, o mesmo trecho sai por £2.00*. Além disso, se você abusar num dia, o máximo que você paga é £8.40* que é o valor de um Travelcard diário, que te deixa andar o tanto que quiser, tanto de metrô quanto de ônibus: as passagens do Oyster são integradas com o sistema de ônibus.

Ahhhh, os ônibus. Os famosos e lindos ônibus vermelhos de dois andares! Eles também são uma opção totalmente viável para se deslocar. Quase todos os pontos de ônibus tem mapas que mostram qual ônibus pegar para ir pra algum lugar. Aí é só traçar sua rota e torcer os dedos pra ter um lugar bem lá na frente no segundo andar e ver Londres de um ponto de vista privilegiado! Só tem que ter cuidado pra não distrair e perder o ponto de descida. :)

E sim, não é a coisa mais barata do mundo, mas vale muito a pena usar esse sistema de transportes eficiente pra ganhar um pouco de tempo ao se deslocar de um ponto a outro e assim aproveitar ao máximo sua viagem. Recomendo também baixar apps no celular do metrô que informam em tempo real a situação de cada linha e te ajudam a fazer a rota mais rápida.

*preços de Fevereiro de 2012

1 comentário

Arquivado em Guia de Londres

Uma resposta para “Mind the gap

  1. Pingback: Electric Cinema | FN

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s